Farmácias | Apoio ao cliente: 800 200 891 (de 2ª f a 6ª f das 09h00 às 18h00) | pesquisa Pesquisar

Características

Se o seu filho tem diabetes, é natural que se sinta por vezes deprimido e preocupado. Haverá novas necessidades a ter em conta para os pais e para a criança e, é muito importante trabalharem em conjunto para gerir eficazmente a doença.
•••••

A diabetes é uma doença para o resto da vida, que pode ser eficazmente tratada através de uma boa gestão. A forma mais comum de diabetes na criança é do tipo 1, apesar de serem cada vez mais frequentes, casos de diabetes tipo 2 em crianças.

Uma gestão adequada inclui mudanças de estilo de vida, como por exemplo, ser mais cuidadoso com os horários das refeições e com a monitorização adequada dos níveis de glicose no sangue. Haverá novas necessidades a ter em conta para os pais e para a criança e, é muito importante trabalharem em conjunto para gerir eficazmente a doença.

Uma das maiores e mais compreensíveis preocupações dos pais é o dia-a-dia na escola. A criança deve estar sempre acompanhada do tipo certo de alimentos para tratar uma baixa glicose no sangue ou hipoglicemia, a qualquer momento. Também precisa de um medidor de glicose no sangue e da sua medicação.

Preencher o diário de autocontrolo, pode ser uma boa maneira de se comunicar com os professores, se não puder falar com eles diariamente. A comunicação com a escola e professores é importante pois, com o apoio dos pais, o pessoal da escola será capaz de cuidar da criança.

Controlar a diabetes é essencial para evitar possíveis complicações futuras que estão ligadas à diabetes, tais como problemas cardíacos, nos olhos ou rins. Uma gestão positiva surge de uma boa comunicação entre pais, filhos e profissionais de saúde.

Se a criança, com o apoio dos pais, aprende a gerir bem a sua diabetes combinando uma dieta saudável, exercício e medicação e / ou insulina, pode levar uma vida longa e plena. Apesar de irem crescendo, vão sempre precisar do apoio e orientação e, pode ser preocupante para os pais quando a criança sai de casa para viajar ou fazer a universidade.

Pode ajudar o seu filho a levar uma vida saudável de várias maneiras, tais como:

  • Preparar as refeições com baixo teor de gorduras saturadas e açúcares
  • Ajudar a manter uma ingestão constante de calorias (flutuações podem afectar de glicose no sangue)
  • Incentivar a atividade física regular
  • Ajudar a garantir que o teste de glicose é regular
  • Certifique-se de que a insulina está a ser injectada de forma adequada
  • Seja uma força positiva

Este último ponto é vital, pois é comum que as pessoas experimentem sentimentos depressivos após o diagnóstico de diabetes. A criança pode ter problemas em articular as suas emoções, por isso, é bom que continue a ser solidário e estar atento a sinais de depressão. Alguns destes sinais podem incluir:

  • Alterações de humor
  • Incapacidade de concentração
  • Mudanças no comportamento
  • Cansaço constante (devido a dormir demais ou muito pouco)

Se esses sinais se tornam extremos e se sentir que não os consegue resolver sozinho, é importante falar com o profissional de saúde.Tomar a medicação correcta no momento exacto também é muito importante, claro está mas, lembre-se que os profissionais de saúde também podem ajudar e apoiar os pais.


É importante que a criança aprenda a testar a sua glicose no sangue regularmente - o seu médico irá dar orientação sobre este assunto. A melhor maneira para que a criança tenha os níveis de glicose estáveis ​​é fazer o teste 3 a 4 vezes por dia, no mínimo.

Recomenda-se o teste antes e após as refeições. Desta forma, se os níveis de glicose alterarem muito, você vai saber de imediato e ser capaz de agir em conformidade. O profissional de saúde deverá definir um intervalo-alvo de glicemia para antes e após as refeições.


Se a glicose no sangue é bem controlada, as pessoas sentem-se mais em forma e têm mais energia. Se a glicose do seu filho esteve alta por algum tempo e de repente baixa, o corpo pode não reagir imediatamente, levando algum tempo a adaptar-se ao novo nível.  Algumas pessoas, no entanto, sentem-se melhor quase imediatamente.


Níveis de glicose no sangue acima de 180 mg/dl são, geralmente definidos como hiperglicemia. Quando uma pessoa com diabetes tem hiperglicemia, é mais propensa a desenvolver cetoacidose.

Isto acontece quando o corpo liberta cetonas no sangue em resposta aos níveis de glicose elevados. A cetoacidose é mais provável de ocorrer quando a criança está doente, por isso é melhor estar mais atento nestas alturas. Os sinais e sintomas incluem náuseas / vómitos, visão turva, respiração profunda e rápida e hálito frutado. Ao verificarem-se estes sintomas, é melhor entrar em contacto com o profissional de saúde e procurar que a criança ingira muitos líquidos.

Se a glicose no sangue sobe muito, por não estar a ser controlada, há perigo de entrar em coma. Um bom controlo da glicemia, torna este perigo muito improvável.

Fazer a pesquisa de corpos cetónicos no sangue pode ajudar a detectar problemas antes que eles se tornem demasiado graves.

Aqui estão algumas sugestões para ajudar a decidir se é necessário um teste de corpos cetónicos no sangue:

  • Quando a criança se sente doente, especialmente se tem uma infecção e febre.
  • Se apresenta qualquer dos sintomas de cetoacidose, tais como sede a toda a hora, urinar com mais frequência do que o habitual, visão turva, enjoos, pele seca ou corada, dificuldade respiratória, sensação de cansaço e / ou confusão.
  • Se os seus níveis de glicose no sangue subirem para 300 mg/dl ou mais.

Os corpos cetónicos devem ser medidos a cada 2 a 4 horas até que melhorem.

Níveis de corpos cetónicos no sangue normais são ligeiramente diferentes de pessoa para pessoa. Esta tabela vai ajudar a decidir se é preciso fazer alguma coisa e o que deve fazer.

Os corpos cetónicos são graves, mas um bom controlo glicémico previne-os também.


Ao longo do tempo, níveis de glicose no sangue elevados podem causar danos no corpo, que afectam os órgãos. A melhor maneira de o evitar é manter a glicemia bem controlada.

Vai perceber que as hipoglicemias são muito mais comuns e, tanto hipoglicemia como hiperglicemia, geralmente, podem ser evitados com testes regulares e uma boa gestão dos níveis de glicemia. Para mais informações sobre a hipoglicemia e hiperglicemia, fale com um profissional de sáude.

Verifique se a criança tem sempre consigo alimentos para tratar uma baixa de glicemia no sangue ou hipoglicemia a qualquer momento.

Comunique com a escola e os professores; preencher o diário pode ser uma boa maneira de o fazer.

O médico irá dar orientações sobre como ajudar a criança a aprender a fazer o teste de glicemia com regularidade.

As crianças podem sentir-se deprimidas após o diagnóstico da diabetes. Procure os sinais e fale com o profissional de saúde, caso os identifique e se tornem extremos.

Os mais lidos

O que faz os níveis de glicose subir e descer?

Quando se tem diabetes, é importante entender o que pode fazer os níveis de glicose no sangue aumentar ou diminuir, de modo a poderem tomar-se medid...

Cetonas (corpos cetónicos) e cetoacidose

As cetonas são uma substância química produzida pelo corpo quando, devido a uma falta de insulina,este não é capaz de usar a glicose como fonte de e...

Artigos relacionados

Monitorização contínua de glicose

Os sistemas de monitorização contínua de glicose (CGM) consistem num pequeno sensor descartável inserido na pele, um transmissor que liga ao sensor ...

Diabetes gestacional

A diabetes gestacional ocorre quando o corpo não consegue produzir a quantidade suficiente de insulina extra para atender às exigências da gravidez...

Pesquisa Pesquisar

Aviso de privacidade

A sua privacidade é importante para nós. Actualizamos a nossa Politica de Privacidade de acordo com o novo Regulamento Geral de proteção de dados da EU.
Veja a Politica de Privacidade aqui.